Semana Mundial da Doula e Sororidade


Com pouco tempo de ativismo na humanização e trabalho, fotografando partos, fui presenteada ao conhecer bem de perto, o poder vindo da união de mulheres que se entregam e se apoiam.

Das várias experiências, as que mais me emocionam e me fazem crer no poder da sororidade, é a atuação das doulas com parturiente no parto. Sim, sororidade. Já ouviu falar?



so.ro.ri.da.de, feminino

  1. grupo de irmãs.

  2. união entre mulheres que se reconhecem irmãs formando um grupo político e ético na luta pelo feminismo contemporâneo


Hoje, vejo a atuação das doulas, como melhor definição e/ou representação, na pratica, de sororidade. Os vários estudos e relatos de partos, nos colocam no ideário feminista, com apoio exercido por essas mulheres grandiosas. O “empoderar” outra mulher, leva ao verdadeiro sentido, de que juntas, as mulheres são mais fortes, combatendo a rivalidade pregada pelo machismo.


"O empoderamento das mulheres passaria pelo resgate dos poderes e saberes femininos que o processo civilizatório teria eliminado ou submetido. Esses poderes estariam centrados na condição natural, biológica e instintiva da mulher, ou seja, a sua sexualidade, sua capacidade reprodutiva, seu instinto maternal. No entanto, há um reconhecimento de que é preciso aprender a resgatar esses saberes ancestrais, de onde a necessidade da didática do parir e do maternal." (Tornquist, 2002, p. 489).


O afeto desenvolvido na ligação entre essas mulheres, é algo transformador. Sim! Acredito que esse é o caminho que nos levará longe. Essa relação da doula, esta diretamente comprometida com a valorização da mulher, e a luta com o feminismo contemporâneo, visto que um dos principais papeis da doula, é empoderar a mulher que ela apoia. Esta rolando um resgate de uma tradição, podemos até dizer ritualística, onde as mulheres protagonizavam o 'nascer', com a presença da parturiente, parteira e acompanhantes.


'O encantamento, a vinculação e a gratidão são impressionantes. Existe uma cumplicidade verdadeiramente feminina, algo que soa como “Você me ajudou naquele momento. Você estava lá o tempo todo ao meu lado. Você presenciou meu choro, meu riso, meu medo e minhas lágrimas de alegria. Você me viu parindo meu filho, e este foi um dos momentos mais belos da minha vida. Estamos juntas, num elo de sangue e amor, para sempre.”' (Jones, 2002).


Passamos pela Semana Mundial da Doula, celebrada do dia 22 a 28 de março, então decidi evidenciar essas relação que tem feito toda diferença no movimento.

Antigamente, a parturiente era acompanhada pelas mulheres experientes da família, que se união para apoia-la durante todo trabalho de parto, nascimentos e cuidados pós.

Com o passar do tempo, os partos passaram a ocorrer em ambiente hospitalar, transformando completamente o cenário do nascimento. Este ambiente impessoal, favoreceu o medo, a dor e a ansiedade daquela que está dando a luz e consequentemente aumentando as complicações obstétricas e necessidade de intervenções. A doula, resgatando um elo construído historicamente, vem suprir a demanda de emoção e afeto neste momento de intensa importância e vulnerabilidade.


Lembrando que a Doula:

  • Oferece apoio emocional com sua presença contínua ao lado da parturiente, provendo encorajamento e tranquilidade, lembrando a mulher do seu dom natural de parir.

  • Oferece métodos não farmacológicos, como massagens, técnicas de relaxamento e respiração, exercícios, banhos e imersão em água quente, dicas de posições, para alivio das dores, durante o trabalho de parto.

  • Oferece suporte informativo, orientando a mulher ou casal, antes e durante o parto.

  • Em caso de cesárea, continua ajudando a mulher a tranquilizar-se durante a cirurgia.

  • Também oferece apoio no pós-parto, auxiliando a mãe com o recém-nascido e com a amamentação.

Entre os benefícios, estudos apontam:

  • Redução de 50% nos índices de cesariana

  • Redução de 25% na duração do trabalho de parto

  • Redução de 60% nos pedidos de analgesia peridural

  • Redução de 30% no uso de analgesia peridural

  • Redução de 40% no uso de ocitocina

  • Redução de 40% no uso de fórceps

Benefícios no pós-parto:

  • Aumento no sucesso da amamentação

  • Interação satisfatória entre mãe e bebê

  • Satisfação com a experiência do parto

  • Redução da incidência de depressão pós-parto

  • Diminuição nos estados de ansiedade e baixa auto-estima


Tenho conhecido doulas incríveis, e pode ter certeza de que elas estarão lá, presentes, segurando sua mão, te segurando se necessário, te abraçando quando preciso, te lembrando do quão forte você, te ajudando a sair da escuridão das inseguranças que rodeia sua mente na hora da negação, te ajudando a passar por cada contração, doando-se verdadeiramente por completo e de coração aberto.


E você, já tem ou teve uma Doula?

Se reconheceu no post em algum momento? Teve uma história incrível cercada por mulheres incríveis?


Abaixo, registros de momentos que passei com elas:


Ane Noronha, com a sua doula Sara Cosenza.

Lucy Domiciano com a doula Lidiane Ribeiro.

E a doula Debora Regina, no parto da Rafaela Medeiros.



Bibliografia: http://www.despertardoparto.com.br/doula---o-que-eacute.html

http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/11650/1/ARTIGO_DoulasComoAmortecedores.pdf

Ane e Sara
Lucy e Lidiane

Ane e Sara

Lucy e Lidiane

Lucy e Lidiane

#parto #partohumanizado #doula #partohumanizadovaledoparaíba #ValedoParaíba #Fotografadeparto #Nascimento #Maternidade #partohumanizadosjc #partohumanizadosãojosédoscampos #partotaubaté #partonatural #partonormal #semanamundialdadoula #fotógrafa #JulianaRosa #ProsaeFotografia #mulher #feminismo #sororidade

Posts Em Destaque